Barrinha da evolução de Peso

25 de fevereiro de 2015

Boa tarde

Nunca fiquei tantos dias sem vir aqui. E me sinto assim tão esquisita sem compartilhar minha rotina com voces.

Se te perguntarem: Qual foi o dia mais feliz da vida até hoje?
Voce saberia a resposta?

Me perguntaram, e por um instante fiz um filtro dos meus mais sorridentes e reconfortantes dias....e podia escolher 1 ou 2 ou 6 dias, mas eu tinha que responder só 1: O mais feliz. E não achei, procurei na minha vida inteira de lembranças boas, vasculhei minha caixa de memórias felizes e não consegui escolher 1 diazinho sequer....fiquei frustrada e deprimida. Me senti tão infeliz.

A noite deste mesmo dia, quando me deitei comecei a pensar nisso. Em como espero um grande dia na minha vida. Em como fantasio com essa minha alma romântica que pende ao um drama um dia para chamar de meu. Passo horas, me inspiro, me arrumo, me preparo para a chegada daquele dia que será rotulado como o mais feliz de todos.

Mas aí, se esse dia chegar, será o fim e não o começo de uma nova vida. Se eu viver o dia mais feliz hoje, o que restará pra mim amanhã? Um dia vazio, sem expectativa, sem razão.

Larguei o ar deprimente, e busquei na minha caixa de lembranças dias que valeram a pena, e que não dá para esquecer, até mesmo os 10 anos que vivi na escuridão da obesidade eu consegui tirar dias de glória, dias merecem ficar na minha caixinha, como quando eu soube que estava gerando um menininho, quando este menininho me chamou de mãe, quando minha mãe me chamou pra dizer que ia largar a moleta por que já conseguia andar sozinha, quando eu fiz um bolo de fubá incrivelmente fofo e delicioso, quando minhas irmãs se casaram, quando fui pedida em namoro formalmente, quando usei meu primeiro salário, quando bordei meu primeiro pano de prato, quando andei de avião a primeira vez, quando ganhei meu primeiro livro, quando soube que seria titia, quando tirei o aparelho dos dentes, quando a cirurgia bariátrica foi aprovada, quando meu IMC atingiu o considerado normal, e fazendo esse exercício de resgate de dias felizes percebi que sou sim uma pessoa feliz, e que devo de fato parar de procurar o grande dia, o mais feliz da minha vida, eu posso juntar essas pequenas felicidades que fazem minha vida tão grande.

Em contrapartida, se listar agora minhas pequenas alegrias diárias, a lista das tristezas e amarguras inerentes do ser humano ficam tão minúsculas....pra quê cargas d'água eu quero ter o dia mais feliz da minha vida? O que eu faria com ele depois? Durante anos eu achava que o dia mais feliz da minha vida seria quando eu deixasse de ser gorda, e isso não aconteceu deixando uma ponta de decepção dentro do meu eu.

Vivo hoje um dia de cada vez aproveitando, saboreando cada minuto do meu dia com o corpo mais magro que já tive na vida, que é também a razão de imensa felicidade pra mim. Nem eu acredito que habito um corpo de 67 kilos e 400 gramas exatamente. Ainda me surpreendo no espelho e difícil não sorrir para minha imagem refletida nele todas as vezes.

Chegar em casa, ver os meus com saúde, todos bem, isso sim é felicidade sendo vivida, junto com todos os dissabores, é a vida, é assim que se vive. Fazendo o meu melhor, me orgulhando da minha força contra o vício na comida, resgatando uma parte de mim que há tanto tempo ficou esquecida.

Até ontem eu almejava o dia mais feliz de todos, agora quero aproveitar todos os dias com pequenas felicidades, é tão mais fácil, tão mais possível, tão mais real.



Beijos amigos e vamos que vamos.


4 comentários:

  1. Sílvia, acho que fizeste uma grande reflexão e assim como tu, eu penso que a felicidade está nas pequenas coisas da vida. Por isso devemos viver intensamente grandes momentos que depois vamos recordar e assim como aprender com os momentos ruins... Grande beijo

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada Vivian, demorei a perceber isso e a cobrança excessiva a busca incessante pelo dia mais Feliz é uma coisa desesperada, inutil, vazia. Temos que viver um dia de cada vez, não tem volta. Beijos

      Excluir
  2. Silvia, quando pequena minha mãe me disse que não existia felicidade... Não sei se já escrevi em algum comentário. Mas logo após minha frustração falou, existem pequenos momentos felizes e hoje vejo que ela estava certa pois são todos esses momentos que nos fazem seguir, desfrutar e querer mais o melhor para nós mesmas.
    Que bom que conseguiste vislumbrar tuas felicidades e valoriza cada uma delas!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Nina, que sorte a sua ter uma mãe tão lucida, de fato ela está certissima. Demorei ano a ver isso. Beijos

      Excluir

Quem sou eu

Minha foto

Sou Silvia, romântica de alma, sonhadora e agora em busca do renascimento, um corpo saudável. No dia 12/06/2013 me submeti a cirurgia bariátrica, fiz o Bypass Gastrico em Y de Roux por video pelo convênio Bradesco no Instituto Garrido, depois de muitos meses pensando, enfim decidi! Vou dividir com voces a jornada da cirurgia, principalmente a parte burocrática e adoraria fazer novas amizades! bem vindos no meu diário, ele está aberto.

Pesquisar este blog

Evolução mês a mês

  • 12/06/2015 66,5 kilos 2 anos
  • 12/05/2015 66,5 kilos
  • 12/04/2015 66 kilos
  • 12/03/2015 67,2 kilos
  • 12/02/2015 67,2 kilos
  • 12/01/2015 68,6 kilos
  • 12/12/2014 69,2 kilos
  • 12/11/2014 69,5 kilos
  • 12/10/2014 70 kilos
  • 12/09/2014 72 kilos
  • 12/08/2014 73 kilos
  • 12/07/2014 73 kilos
  • 12/06/2014 73,5 kilos - 1 ano
  • 12/05/2014 74 kilos
  • 12/04/2014 75 kilos - meta médica
  • 12/03/2014 80 kilos
  • 12/02/2014 83 kilos
  • 12/01/2014 85 kilos
  • 12/12/2013 90,7 kilos
  • 12/11/2013 94 kilos
  • 12/10/2013 100 kilos
  • 12/09/2013 105 kilos
  • 12/08/2013 111,5
  • 12/07/2013 118,5 kilos
  • 12/06/2013 Maior peso 138 Kilos dia da cirurgia

Siga- me por e-mail!

Google+ Followers

Tecnologia do Blogger.

Minha lista de blogs