Barrinha da evolução de Peso

4 de dezembro de 2014


No comecinho....ai o comecinho...

Sair da zona de conforto dói tanto, é tão ruim se desfazer do que mais gostamos.  E quando decidi fazer a Bariátrica foi assim, decidi de uma vez por todas abrir mão do que eu mais gostava de fazer: comer muito.

Realmente escrevia muito pouco nesse período, depois que várias pessoas me perguntaram porque escrevi tão pouco no pós operatório, dei uma espiada nos posts antigos, me deu certa nostalgia daquele comecinho tão instigante, tão esperado, tão angustiante.

Escrevi pouco, e hoje tenho apenas reflexos do tempo da dieta líquida. O que tenho em mente agora é que foi difícil física e emocionalmente passar pelos primeiros 30 dias pós cirurgia. A abstinência forçada bruscamente me deixou desnorteada, fome não existe, não mesmo. A vontade de mastigar é grande, o maxilar dói, os cheiros enjoam, os líquidos dão náuseas. 10 mls a cada 5 minutos. Somente uma hidratação, não se pode forçar os grampos que até 10 dias depois podem se romper e acontecer a famosa fístula que quase sempre leva a morte. Saber disso assusta, e a sede é de fato perturbadora.

Se alimentar somente de líquidos te deixa fragilizada em todos os sentidos da palavra, fiquei apegada a minha mãe nessa época, minha terapeuta dizia isso ser muito comum, porque os líquidos e o medo do desconhecido nos remetem á infância, e é recomendado a presença de quem representa um papel maternal para uma boa recuperação mental.

De alguma maneira minha cabeça bloqueia essa fase, a única explicação médica para esse apagão que tenho, principalmente quando tento escrever é que por causa da compulsão forte alimentar que eu enfrentava na época e me empanturrei de comida até o último dia - não fui me desligando aos poucos do vício de comer - prejudicou o emocional e inconscientemente tento me esquecer. Não sei....

Eu não me pesava, não saia de casa, eu mantinha uma coisa na cabeça: Minha vida vai mudar, vai mudar, vai melhorar. E assim segui com apoio e força total da família. Acho que varia de pessoa para pessoa, fica tudo mais difícil quando se tem apego exagerado á comida como no meu caso. Mas passa, e mais rápido do que pensamos.

Na minha opinião, a dieta líquida, além de servir para a cicatrização, serviu também para me fazer refletir o que estava fazendo com minha vida, me fez pensar nos motivos que me fizeram colocar a comida a frente de todas as outras coisas, me fez viver um tempo sabendo que era possível ficar sem mastigar e engolir literalmente, me fez acreditar que eu era mais forte do que a comida, me fez sofrer, me fez resistir, me fez fortalecer, e foi ai que comecei a sonhar, a fazer planos, construir metas de verdade.

Cá estou, quase 1 ano e meio depois com saudades desse tempo acredita? E se voltasse no tempo faria tudinho outra vez, e repetiria quantas vezes fossem necessárias, porque vale super a pena.

Começar é sempre muito bom, desfrutar dos resultados é melhor ainda.



Beijos amigos, boa noite e vamos que vamos!!




6 comentários:

  1. Pois é, eu relutei sempre em fazer a cirurgia pq achei que seria mais forte que um belo dia sairia correndo a São silvestre e estaria tudo resolvido. Mas 2015 vou fazer! Medo da fase líquida e de sentir fome!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Vc está certissima, a cirurgia tem que ser a ultima opção, agora chegou sua hora não fique com medo dará tudo certo. Bjos

      Excluir
  2. Que interessante isso do papel maternal na recuperação mental! Nunca imaginaria. Ainda bem que não operei, pra não passar por isso, risos.

    Saudade não pode sentir não, hein! Só nostalgia leve! Porque essa Sil de agora é maravilhosa, linda, vencedora!

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Folha, acho que a saudade é do sentimento que aqueles dias me trouxeram, uma fé inabalável, uma esperança que chegava esquentar o peito, sabe? Sinto falta de me sentir assim....bjos

      Excluir
  3. Silvia, percebi que não escrevia tanto no início quando encontrei teu blog e fui ver os arquivos e conhecer tua história... Acho que faz parte do processo. Talvez no início certas coisas não façam tanto sentido, é 'só' aquela vontade de fazer dar certo, de não cair em tentação, medos bloqueados, sensações esquecidas que com o tempo afloram.
    Que bom que passou, te tornaste mais feliz e próxima do que és de verdade.
    beijos com carinho

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo seu carinho, sim acho que é bem isso mesmo que vc falou...a expectativa de ver as coisas mudarem não me deixava pensar refletir e expor, agora fica mais fácil....
      beijos

      Excluir

Quem sou eu

Minha foto

Sou Silvia, romântica de alma, sonhadora e agora em busca do renascimento, um corpo saudável. No dia 12/06/2013 me submeti a cirurgia bariátrica, fiz o Bypass Gastrico em Y de Roux por video pelo convênio Bradesco no Instituto Garrido, depois de muitos meses pensando, enfim decidi! Vou dividir com voces a jornada da cirurgia, principalmente a parte burocrática e adoraria fazer novas amizades! bem vindos no meu diário, ele está aberto.

Pesquisar este blog

Evolução mês a mês

  • 12/06/2015 66,5 kilos 2 anos
  • 12/05/2015 66,5 kilos
  • 12/04/2015 66 kilos
  • 12/03/2015 67,2 kilos
  • 12/02/2015 67,2 kilos
  • 12/01/2015 68,6 kilos
  • 12/12/2014 69,2 kilos
  • 12/11/2014 69,5 kilos
  • 12/10/2014 70 kilos
  • 12/09/2014 72 kilos
  • 12/08/2014 73 kilos
  • 12/07/2014 73 kilos
  • 12/06/2014 73,5 kilos - 1 ano
  • 12/05/2014 74 kilos
  • 12/04/2014 75 kilos - meta médica
  • 12/03/2014 80 kilos
  • 12/02/2014 83 kilos
  • 12/01/2014 85 kilos
  • 12/12/2013 90,7 kilos
  • 12/11/2013 94 kilos
  • 12/10/2013 100 kilos
  • 12/09/2013 105 kilos
  • 12/08/2013 111,5
  • 12/07/2013 118,5 kilos
  • 12/06/2013 Maior peso 138 Kilos dia da cirurgia

Siga- me por e-mail!

Google+ Followers

Tecnologia do Blogger.

Minha lista de blogs